• Folha Piúma

“Quero ser um agente transformador”, diz artista piumense


Foto: Divulgação/Fabio Martins


“A música é uma coisa muito séria para mim. Vai além da questão da fama, do dinheiro. Quero salvar as pessoas. Elas precisam ouvir o que eu escrevo. Quero ser um agente transformador”, diz, ao AT2, o cantor, compositor e multi-instrumentista Drayton Luiz Silva Fonseca, o Dry Som, 20.


A praia dele é essa: cantar suas experiências. Melhor dizendo: no clima praiano da Cidade das Conchas, Piúma, o jovem busca inspiração para se arriscar em mais uma aventura sonora, “Mundo Novo”.


O single, que dá nome ao terceiro EP do artista nascido em Belo Horizonte, em Minas Gerais, mas que adotou o Espírito Santo como seu lar, mistura reggae “ao estilo Dry Som: eletrônico, positivo, acústico e rimado”, como define.


“Com 'Mundo Novo', trago o ragga, o som jamaicano forte. Essa é a essência dessa minha nova fase, marcada pelo meu terceiro EP, que também se chamará 'Novo Mundo'”, explica.

Animado para continuar embarcado nessa vibe, ele já está com um novo single para lançar: “Vida de Trabalhador”. A canção está em pré-produção.


“O 'Novo Mundo' terá cinco faixas e estamos trabalhando para seu lançamento acontecer, nas plataformas digitais, até o segundo semestre deste ano”, adianta.

A vontade que Dry Som tem de mostrar seus trabalhos é abastecida pelo fôlego e entusiasmo da juventude. “Tenho dois cadernos entupidos de músicas e melodias prontas para serem produzidas. Uma amiga diz que 'Sou uma máquina de criar'. Concordo com ela (Risos)”, salienta o artista, adiantando que o EP traz linhas de gaita.


Os dois primeiros EPs foram lançados em 2020. Em abril, veio o primeiro: 'Interferência Sonora'. Nesse trabalho, em quatro faixas, ele mistura surf music, MPB e rap. O 'Nova Estação' é de rap. Também com quatro faixas, ele foi lançado em agosto.


Ouça o Dry SOM! nas plataformas digitais!


Fonte: https://tribunaonline.com.br/quero-ser-um-agente-transformador-diz-artista-capixaba

0 comentário